Nem sempre ? como desejamos

Anonymous

Nem sempre é como desejamos

Mensagem por Anonymous »

Outro dia um amigo comentou como ia a minha vida de latin lover. Falei que ia bem e contei-lhe alguns casinhos. Ele me cortou no meio dos contos, dizendo-me que uma conhecida sua, com quem ele vinha saindo, estava com tesão de sair comigo. Disse mais: a menina era quentíssima, fogosa da cabeça aos pés.

Bom, eu sempre gostei de desafios e na juventude tinha uma vontade enorme de pegar uma ninfomaníaca na minha frente, pra ver o que aconteceria. Meu tesão juvenil era enorme e algo ainda se mantinha, apesar da idade nos trazer outros atributos complementares ao sexo e de não ser mais puramente o ato sexual em si o que nos atrai. Lembrei-me da juventude, dos meus desejos mais ardentes, perguntei algo mais sobre a moça e acabei por descobrir - porque ele me disse! - que já a conhecia.

Achei interessante a proposta, motivo pelo qual anotei o msn da moça, já planejando contato para o mesmo dia. O amigo me alertou novamente para o calor da moça, sem dar-me muitos detalhes. Junto com o alerta, me perguntou se eu não teria uma dica para ele. Passei o fone de uma conhecida, deliciosa e safada. Antes, liguei pra ela e disse que um conhecido ia ligar pra ela procurando opor um sexo gostoso. Ela disse que 'tudo bem' e os dois se encontraram em 2 dias. Ele achou ela extremamente safada e ela o achou normal. Na saída do encontro deles, ela me ligou e disse que queria ir ao motel comigo naquele exato instante. Estava sedenta, mesmo...

Este amigo tinha saido com outro conhecido - que trabalha comigo - e duas gatonas (gatas, mesmo, eu as tinha visto!). Entraram juntos no motel com a dupla, mas ela preferiram ficar em quartos separados, ainda que tenham aceitado umas preliminares em conjunto. Esse que trabalha comigo voltou dizendo que esse meu amigo é uma máquina de fazer sexo.

Bom, se a máquina de fazer sexo me disse que a mulher que quer sair comigo é quente, então...

falei com a moça pelo msn. Já a conhecia, então o papo rolou tranquilo. Rapidamente já estávamos trocando informações sobre a lingerie que ela usaria e sobre o que faríamos num quarto só para nós. Marcamos para uma semana depois. Durante a semana, esse meu amigo falou com ela e disse que eu a arrebentaria, pois sabia de histórias minhas (na verdade, já tinha transado com aquela gata e tinha sentido o sufoco) e que eu seria puro desejo. A menina ficou ouriçada e disse pra ele que iria acabar com minha raça... Quando me contou eu pensei: Estou ferrado!

Passei a semana meio cansado, pensei em tomar vitaminas ou qualquer coisa que me desse energia. Uma outra amiga me ligou e convidou pra sair e tive de recusar, pois não me sentia forte pra um sexo no estilo que me agrada. Visualizava o domingo (data do encontro com a fogosa indicada pelo meu amigo) e me pergunatva se teria forças. Esse meu amigo perguntou se queria um Suvvia (igual ao Viagra), mas recusei. Pensei que seria melhhor encarar o desafio por inteiro e sem subterfúgios.

No dia marcado, estava eu lá, cedo. Conforme combinado, antes das 8 horas telefonei pra ela. Estava dormindo, disse que tomaria um banho e retornaria a ligação. Quase 9 horas e ela me pede para pegá-la em determinado local. Ou seja, perdemos uma horinha com esse banho e arrumação dela. Tudo bem...

Chegamos ao motel e eu sabia que teríamos apenas 2 horas, pois teria de almoçar com a família, como faço todos os dias. A moça veio pra cima, conforme esperava. O pau correspondeu e logo ficou duro. Segura aqui, aperta ali, aperta de novo e ela 'ai, você segura com força! Doeu!'. Pensei se ela era a mesma menina que o amigo havia recomendado. Pensei mais um pouco e conclui que seria frescurinha só pra começar a brincadeira. Prossegui e ela manteve o discurso da mão forte. Não estava batendo nela, apenas segurando-a como acho que se deve segurar uma fêmea na hora do sexo. Me recordei rapidamente de outras mulheres maravilhosas na mesma situação e todas diziam 'nossa, que pegada forte' no lugar do 'ai, tá doendo'... O pau amoleceu.

Deixei-a deitada na cama e fui beijando sua perna, subindo pra sua coxa, até chegar na buceta. O corpo dela é escultural e a buceta - bem molhadinha - completava o visual e me deixava levemente embriagado. Ainda não sabia o que pensar da censura sobre minha pegada e decidi chupar sua buceta por inteiro. Ela parecia gostar. Ajeitei-a, de maneira que pude ficar dentro de suas pernas, com a língua inteira dentro de sua buceta, enquanto a mão corria em busca de seus seios pequenos e deliciosos. Ela gemia, sem reclamar. Meu pau começou a subir. Subitamente, ela disse que queria levantar-se pra chupar meu pau. Estranhei um pouco, pois eu estava apenas começando a brincadeira... Percebi que a moça fazia o estilo dominadora! Ela pulou quase em pé na cama e o meu pau - que começava a subir - se escondeu.

Ela veio com força sobre meu peito, querendo que eu deitasse. Agarrou meu pau - murcho - como se pega um instrumento qualquer (uma colher, uma chave de fenda). Abocanhou com vontade. Tanta, que machucava um pouco. O desejo transbordava da boca daquela doida (sim, já começava a fazer esse julgamento dela) e a cena fez meu pau crescer forte e rígido dentro daqueles lábios. Ela delirou, eu percebi. Começo ua sugar com fúria e a dor passou a ser mais forte. Ela usava aparelho nos dentes, então o negócio roçava pra valer. Ela perguntava baixinho se estava doendo, mas eu não queria dizer que sim, pois a coisa não ia bem até então e eu queria ver mais do que tinha visto. Como da outra vez, ela pulou subitamente e disse 'põe a camisinha e me come!'

Peguei a camisinha e pensei que não era bem isso que queria... Meu pau ia diminuindo de novo, quando ela o agarrou e começou a bater uma punheta. Tudo firme, roliço, duro, e a ordem veio 'vem, mete!'.

Meti. A mulher ficou doida. Uivava, tremia, torcia, xingava. Vi aquilo tudo, num misto de tesão e estranheza, e gozei. Muito mais rápido do que de costume. Ela disse 'já? Quero mais!' Dou razão a ela, claro. Um ato sexual precisa de muito mais do que uns 5 minutos de pau dentro e uns 10 minutos de preliminares. Muito mais.

Ficamos conversando banalidades, futilidades e também sobre sexo. Perguntou-me se eu a tinha achado meio apressadinha. não tinha pensado nisso, mas era uma pergunta plausível, pois o comum é as mulheres reclamarem de nossa sede por buceta e ela estava sedenta por pau, não pelo momento a dois. Seguimos conversando, dando algumas risadas... Até falamos sobre o amigo em comum, ela insistindo que não havia transado com ele.

Em dado momento, ela posicionou-se de barriga pra baixo, com uma toalhinha pequena cobrindo a bunda redondinha. Comecei a brincar com os dedos na sua bucetinha. Ela gostou e abriu um pouco mais as pernas, pra que eu pudesse brincar melhor. Sua buceta molhou-se rapidamente e assim ficou por alguns minutos. Estava deitado na posição contrária à dela, com a cabeça perto de sua bunda e pensei em levantar e ficar sentado em cima daquela bunda gostosa. Foi o que fiz. Meu pau começou a subir ao ver aquele corpo lindo, aquela bunda arrebitada e ao sentir-se espremido entre as coxas dela. Ela, por sua vez, começou a rebolar, pra facilitar a entrada do pau que crescia cada vez mais ali dentro.

Iniciamos um sexo muito gostoso, com ela de quatro. Os gritos foram ensurdecedores. Xingação descontrolada, uivos... Eu a mantinha bem segura com as duas mãos. Entre um uivo e outro ouvia-se um 'ai, doeu' em resposta a uma apertada mais forte que eu dava. O pau seguia forte e feliz naquele vai-e-vem, fazendo o que sabia fazer bem. Aquele jogo, na forma como estava, seguia seu curso naturalmente. Um tapinha na bunda, um 'tá gostando, vadia?', uma estocada mais forte, um puxão no cabelo... Opa, a puxada no cabelo veio com um 'ai, não puxa forte', seguido de um 'isso, mete assim, vai'.

A coisa ia bem, muito tesão, desejo no ar, quando a moça resolveu saltar na cama. Deu a ordem para que eu deitasse. Queria cavalgar. Me deitei, ela montou na sua sela e começou a subir e levantar com bastante energia. Topei o jogo. Beleza!

De repente, 'Paf! Paf! Paf!' Tomeu três tapas na cara! Caralho, primeira vez que alguém me bate na cara! Meu pau murchou em milésimos de segundo. Ela se espantou e perguntou o que tinha acontecido. Eu falei que tinha me assustado com o tapa na cara, mas que tudo bem. Ela pediu desculpas, perguntou se tinha doído...

Ficamos conversando novamente sobre banalidades e também sobre sexo. u disse que no meu entendimento tínhamos feito muito pouco. Ela perguntou se eu tinha achado pouco o que ela fez. Xiii... Eu disse que normalmente costumo transar por mais tempo e que na primeira transa havia gozado mais rápido do que o costume e na segunda o tapa na cara cortou o embalo. Ela concordou e acenou para uma melhor performance da dupla num segundo encontro.

Sei lá se quero uma segunda experiência dessas. A dominação esteve presente em praticamente todos os momentos do nosso encontro. Não me sinto bem numa situação dessas. Mulher, pra mim, tem de gostar da atividade do homem. O homem é o ativo. A mulher o seduz, o força a fazer o que ela deseja apenas com o olhar e seu corpo. O jogo de sedução é feminino, já a brutalidade e o comando (de voz e manual) são masculinos.

Passei o resto do dia pensando na experiência da manhã. Não achei ruim, pois ruim é a mulher que parece estátua diante do cara de pau duro. Por outro lado, não foi a experiência que desejava. Certamente ela também pensou um pouco sobre o ocorrido. Imagino isso porque ela me desejava a algum tempo e porque planeja - repetiu isso algumas vezes - um novo encontro. Para o sexo podemos encontrar de tudo. Gente que gosta de cocô, de xixi, de porrada, de carinho... Eu sou do grupo que precisa sentir a parceira e isso leva algumas horas. Preciso sentir que ela aceita a minha mão e que se arreppia com o seu toque em seu corpo. Preciso sentir o desejo tomando conta de sua cabeça até que ela se entregue por inteiro ao sexo como única forma de saciar seu desejo ardente. Infelizmente o que acabo de narrar não foi o que encontrei naquela manhã.
HumbertoReis
Mensagens: 1468
Registado: sábado jan 23, 2010 8:41 pm

Re: Nem sempre é como desejamos

Mensagem por HumbertoReis »

Só rindo, mesmo...
Avatar do Utilizador
Xevious
Site Admin
Mensagens: 10359
Registado: terça abr 28, 2009 3:12 am

Re: Nem sempre é como desejamos

Mensagem por Xevious »

LatinLover Escreveu:Sei lá se quero uma segunda experiência dessas.
Se tiver uma outra vez, usa 'os remedinhos' daí, vai poder levar tabefe na cara a vontade que não baixa nada :lol:
Conheça o site Tele-Tudo e compre o que precisar, por tele-entrega
Avatar do Utilizador
Margarida
Mensagens: 3965
Registado: quarta abr 29, 2009 3:38 am

Re: Nem sempre é como desejamos

Mensagem por Margarida »

Verdade, nem sempre é como desejamos...
No caso, o cara gozou, mas reclama...
Eu também reclamo, mesmo gozando se não for do jeito que eu gostaria...
Carol Garcia
Mensagens: 918
Registado: segunda jun 22, 2009 3:59 pm

Re: Nem sempre é como desejamos

Mensagem por Carol Garcia »

Eu não vou falar nada, porque da última vez que comentei este tipo de tópico, foi o maior entrevero.
Fala sério... se não houvesse lugar ao sol para todos, Deus teria inventado um guarda sol tamanho XXXL, e não uma camada de ozônio!

http://www.diarinhozinho.blogspot.com Imagem

Eu, para todos
Eu, para os íntimos
HumbertoReis
Mensagens: 1468
Registado: sábado jan 23, 2010 8:41 pm

Re: Nem sempre é como desejamos

Mensagem por HumbertoReis »

Carol Garcia Escreveu:Eu não vou falar nada, porque da última vez que comentei este tipo de tópico, foi o maior entrevero.
Carol, mas você acha que tudo é válido e que cada um faz o que tiver vontade, não é? Sendo assim, e igual à minha opinião, acredito que você tenha achado a experiência válida. Ao imaginar toda a cena dá vontade de rir, mas o desajuste ali se deu pelo fato de gostar de um modelinho de atuação sexual que não combinou com o que o cara buscava. Certamente existem homens perfeitamente ajustados àquela mulher, assim como existem mulheres perfeitamente ajustadas ao modelo do LatinLover.

* O Xevious parece que não viu nada de anormal naquele jogo sexual (aceitaria ele um tabefe na cara?).
Avatar do Utilizador
Margarida
Mensagens: 3965
Registado: quarta abr 29, 2009 3:38 am

Re: Nem sempre é como desejamos

Mensagem por Margarida »

Xevious Escreveu:
LatinLover Escreveu:Sei lá se quero uma segunda experiência dessas.
Se tiver uma outra vez, usa 'os remedinhos' daí, vai poder levar tabefe na cara a vontade que não baixa nada :lol:
Usar remedinhos parece que seria algo normal pra ti ao transar com mulheres deste tipo?
Ou seja, poderia transar, pra ver as "novidades", sabendo que a mulher dá na cara? :think:

HumbertoReis Escreveu:* O Xevious parece que não viu nada de anormal naquele jogo sexual (aceitaria ele um tabefe na cara?).
Sabe que não tinha me dado conta deste detalhe Humberto?
Pois é, aceitaria o Xevious transar com uma mulher que dá na cara, com viagra, em troca de algo mais? :think:
Carol Garcia Escreveu:Eu não vou falar nada, porque da última vez que comentei este tipo de tópico, foi o maior entrevero.
Que nada Carol, gostaria muito de saber a opinião de uma outra mulher, ainda mais tu com seu super bom humor. :thumbup:
Carol Garcia
Mensagens: 918
Registado: segunda jun 22, 2009 3:59 pm

Re: Nem sempre é como desejamos

Mensagem por Carol Garcia »

Margarida Escreveu: Que nada Carol, gostaria muito de saber a opinião de uma outra mulher, ainda mais tu com seu super bom humor. :thumbup:
LatinLover Escreveu:Eu sou do grupo que precisa sentir a parceira e isso leva algumas horas. Preciso sentir que ela aceita a minha mão e que se arreppia com o seu toque em seu corpo. Preciso sentir o desejo tomando conta de sua cabeça até que ela se entregue por inteiro ao sexo como única forma de saciar seu desejo ardente
1- Cara, tu anda lendo muito Don Juán de Marco?
2- Não me vem com essa que se autodenominar "Amante Latino" e não se propor a qualquer coisa. amante que é amante leva tapa na cara, na bunda, no p... e não reclama, muito pelo contrário. Continua machamente com o mastro em riste!



Gente estou editando a mensagem porque caiu minha internet bem na hora.
É brincadeira.

Não penso isso não, a não ser pela parte que "Amante Latino" tem que estar proposto a tudo.
Se o cara se acha o bambambam do sexo, tem que aguentar tudo, se não, assume que é uma pessoa normal como a maior parte dos homens e faz a coisa com o carinho que a maioria das pessoas precisam.

Como eu sempre disse, pra mim, entre 4 paredes vale tudo, desde que seja em comum acordo.
Eu, por exemplo, gosto de pegada, mas não acho uma maravilha levar tapas, como sei que tem amigas minhas que gostam de dar e receber.
Gosto é que nem cú, cada um tem o seu.
Fala sério... se não houvesse lugar ao sol para todos, Deus teria inventado um guarda sol tamanho XXXL, e não uma camada de ozônio!

http://www.diarinhozinho.blogspot.com Imagem

Eu, para todos
Eu, para os íntimos
Avatar do Utilizador
Margarida
Mensagens: 3965
Registado: quarta abr 29, 2009 3:38 am

Re: Nem sempre é como desejamos

Mensagem por Margarida »

LatinLover Escreveu:Eu sou do grupo que precisa sentir a parceira e isso leva algumas horas. Preciso sentir que ela aceita a minha mão e que se arreppia com o seu toque em seu corpo. Preciso sentir o desejo tomando conta de sua cabeça até que ela se entregue por inteiro ao sexo como única forma de saciar seu desejo ardente
Isto é legal, o toque é muito importante, pra relaxar, infelizmente nem todos os caras pensam assim...
Alguns querem tudo rápido, e como eles acharem melhor!
Mas achei interessante este depoimento do Latin Lover, porque ele mostra algumas nuances da sexualidade humana, no caso dele, um cara que curte mais o toque de um carinho, encontrou-se com uma mulher mais interessada em fazer dor, dar tapa na cara, enfim... Será que ela não tem alguma antecedente de ter sido forçada muito cedo no sexo, ou algo do tipo?
Sei que cada um com seus problemas, mas já que foi exposto o caso, vamos debater. :thumbup:
Avatar do Utilizador
Margarida
Mensagens: 3965
Registado: quarta abr 29, 2009 3:38 am

Re: Nem sempre é como desejamos

Mensagem por Margarida »

AndréFF Escreveu:Isso me lembra um antigo membro do Cybernados, que gostava de compartilhar suas aventuras.
Queria saber por onde ele anda... :eh:
É mesmo, lembrei agora, o Aloprado, não é?
Responder